segunda-feira, 21 de maio de 2012

Na Mídia: Patrick Ness no Jornal O Globo

Olá leitores amados =D

Hoje, mais uma notícia extraordinária para vocês e estamos muito empolgados! Confira a matéria que saiu no Jornal O Globo:


Um futuro sombrio


Segundo livro da série ‘Mundo em caos’ reforça sucesso da distopia entre joven



O futuro é assustador. Pelo menos, isso é o que imaginam os autores de livros distópicos. Filão literário do momento entre adolescentes, esse caldeirão de violência, controle social e romance, que se tornou sucesso pelas mãos de Suzanne Collins, com a sua série “Jogos vorazes”, segue rendendo best-sellers. Está chegando ao Brasil “A missão” (Pandorga), segundo volume da trilogia “Mundo em caos”, cujos direitos cinematográficos foram comprados pela Lionsgate, mesmo estúdio do blockbuster estrelado por Jennifer Lawrence. O filme será roteirizado por Charlie Kaufman, aclamado por “Quero ser John Malkovich” (1999) e “Brilho eterno de uma mente sem lembranças” (2004). 


Autor foi alvo de críticas sobre a violência em seus livros 
Escritor de “Mundo em caos”, Patrick Ness não apenas vende muito (quase um milhão de livros da série já foram comercializados) como também coleciona elogios da crítica. Em 2011, ele faturou a Carnegie Medal, principal prêmio da literatura infantojuvenil no Reino Unido. 

Ao mesmo tempo, o escritor foi alvo de críticos que condenam o ingrediente da violência nos seus livros. A história de “Mundo em caos” se passa no futuro, em um planeta parecido com o nosso, mas onde homens e cachorros ouvem os pensamentos uns dos outros, e apenas as mulheres são “silenciosas”. Em meio a esse “ruído”, vive Todd Hewitt, último garoto da cidade de Prentissburgo, que está a um mês de completar 13 anos. No entanto, as verdades sobre tudo o que ele conhece desmoronam após Todd encontrar uma menina pela primeira vez. A partir daí, os dois começam uma frenética e sangrenta caçada. 

— O mundo já é muito ruidoso. Estamos o tempo todo na internet, trocando mensagens de texto no celular, no Facebook. Especialmente se você for um adolescente. Eles ficam falando uns com os outros e de si mesmos. Então, pensei como seria um planeta em que fosse obrigatório contar para todo mundo tudo o que você pensa — explica Ness, em entrevista ao GLOBO por telefone, de Londres. 

O segundo livro da trilogia começa com o casal preso e inclui momentos de torturas psicológicas e físicas. Seguindo a linha de “Jogos vorazes”, a violência está presente, mas não é gratuita. Dilemas morais, sexismo e decepção política também são elementos da saga. São temas duros até mesmo para adultos, e que, levados para o ambiente jovem, geram críticas comuns a diversos autores adeptos da distopia. 

Além de não gostar de rotular seu trabalho como distópico, Ness nega que seus livros sejam sombrios demais. Para o autor, que já deu aulas na Universidade de Oxford e julgou concursos literários para adolescentes, quem o acusa disso deveria ler os textos escritos pelos próprios jovens. 

— Essas pessoas deveriam ler o que os adolescentes escrevem, as histórias deles sobre eles próprios. É muito, mas muito mais sombrio do que qualquer coisa que eu poderia escrever — afirma Ness. — Quando escrevo para adolescentes, preciso falar a verdade sobre o lado sombrio da vida, sobre o que é difícil e duro. Se eu digo a verdade sobre coisas ruins, fica também mais verdadeiro quando escrevo sobre amor e esperança. 

Esse clima pesado caiu no gosto dos jovens. No Brasil, 2012 está sendo o ano da distopia. Com vendas alavancadas pelo filme “Jogos vorazes”, os três livros da série homônima estão nas listas dos mais vendidos no país. Pelo mundo, já são mais de 36 milhões de cópias comercializadas. A saga descreve um mundo cheio de miséria no qual adolescentes são obrigados a lutar por sua sobrevivência num programa de TV. 

Várias editoras vão publicar títulos na linha da distopia. A Intrínseca, que já lançou “Delírio”, de Lauren Oliver, tem na manga ainda “Caminhos de sangue”, de Moira Young. Já a Rocco virá com “Todas as coisas que já fiz”, de Gabrielle Zevin, e a Bertrand Brasil, com “Wunderkind”, de D’Andrea G.L. 


“Distopia é a história de uma sociedade em colapso” 
Muita gente vê a ascensão do gênero ligada à crise econômica nos países desenvolvidos, que gera forte desemprego e falta de perspectiva entre os jovens. Mas, na opinião de Ness, o sucesso da distopia vem da identificação entre personagens e leitores. 

— Distopia é a história de uma sociedade que está entrando em colapso. O protagonista não conhece as regras desse mundo e precisa descobrir na marra. Ao mesmo tempo, ele ganha várias responsabilidades de um adulto, mas sem ter nenhum benefício, nenhuma das coisas boas de ser um adulto. Se você pensar dessa maneira, é assim que os adolescentes se sentem — argumenta. 

O escritor não esconde a empolgação com a adaptação dos livros para o cinema. 

— Mal posso esperar para ver o filme pronto — diz Ness.





Fonte: http://oglobo.globo.com/blogs/prosa/posts/2012/05/19/um-futuro-sombrio-445671.asp

4 opiniões:

Isabela Cristina disse...

Não li ainda, mas estou curiosa agora... :D

silviacrika disse...

Interessante.

Jessica Asato disse...

Sempre tem um preço com o sucesso, não é? O autor investiu em um tema que tem toda capacidade de conquistar mas também vêm junto as críticas! Ainda não li o primeiro para opinar sobre o tema de agressividade no livro, mas vi resenhas de algumas blogueiras e parece muito bom!

Abraços!

Débora disse...

Preciso dos dois primeiros livros urgentemente!
eu li a matéria! Muito interessante!

Postar um comentário